Pages

8 de mai de 2011

Um brinde a mim mesmo

Nasci para satisfazer a grande necessidade que eu tinha de mim mesmo. (Jean-Paul Sartre)

Na escuridão que se prolonga a cada toque do relógio de parede, o som singelo da taça com vinho de encontro com a mesa de vidro, acalma os meus sentidos e me faz refletir.
Agora eu brindo pela minha estabilidade.
Brindo, por ainda poder estar aqui, enfrentando meus medos e aprendendo a sentir tudo com mais cautela.
Não vou me prolongar nessa questão, pois sei que ainda há muito que aprender.
Mas estou satisfeita com os meus resultados.
Sei que muitas vezes passei por crises sem sentido, e sei que elas não se extinguiram do meu ser por completo, mas desta vez pude tirar importantes lições para o meu modo de viver.